Culpa coletiva

As principais consequências do arrependimento autêntico
3 maio, 2017
Alma e mente de um pacificador
4 maio, 2017
 

Culpa coletiva

Vejo frequentemente gente escrever nas redes sociais: "você quer dar moleza para bandido", "se fosse branco e rico você protestaria", "cadê os direitos humanos?". Deixe-me esclarecer o que penso:

 
  1. A culpa individual é fato que não pode ser justificado pela desigualdade social. Tenho muita informação. Encontro-me imerso no Rio underground. O que vejo é hediondo. Maldade que deve ser coibida, investigada, punida e contar com o veemente repúdio do todo da sociedade. Há caso de a vítima pedir para morrer face à tortura à qual está submetida. Não quero vida fácil para homicida. Não aceito matar.
  2. A desigualdade social é obstetra do crime. O mal está dentro do coração humano. Não sigo o ponto de vista daqueles que ensinam que a natureza humana é boa. Somos visceralmente egoístas. Queremos a felicidade. Salvo casos excepcionais, caracterizados por severa psicopatologia, a meta do homem não é matar, roubar e destruir. Ele quer ser feliz. Essa propensão à felicidade egoísta não se manifesta necessariamente em assassinato, roubo e destruição, que nada mais são do que filhos da maldade paridos pelos obstáculos à realização do desejo humano por uma felicidade que não considera o bem-estar do próximo. Mude as condições sociais, especialmente as mais abertamente cruéis, e não se verá o mal nascer na extensão em que é gerado no Brasil. Continuará dentro do peito. Mas, não o provoque! Não ignore os papéis de legislação inócua, sistema de justiça criminal injusto e corrupção institucional, num contexto de pobreza aviltante. Não brinque com economia! Ainda que a vida do próximo não lhe diga nada, trate de combater a desigualdade de oportunidade de vida, isso vai se voltar contra você e seus filhos. Vai apanhá-lo no seu momento de lazer. A maioria dos pobres injustiçados continuará sobrevivendo, sem se revoltar, mas alguns, não! Ao se estabelecer a igualdade de condição social, com todos vivendo numa sociedade próspera e socialmente homogênea, a prática da iniquidade chegaria ao fim? Jamais! Há outras formas de desigualdade. Sempre haverá alguém que será considerado por você, mais belo, mais forte e mais culto. Isso tende a nos levar à loucura, à inveja, à maledicência. Veja quantos ricos envolvidos com escândalos de corrupção no nosso país. Contudo, mesmo assim, seria um golpe na espécie de criminalidade que temos no Brasil. Repito! A meta não é matar. A meta é ser feliz! Mais oportunidade de vida diminuirá a necessidade de mais cadeia! Por que na Holanda estão fechando prisões?
  3. A culpa social é um fato. Quando os soldados americanos chegaram no campo de concentração de Dachau, na Alemanha, e viram os horrores perpetrados pelos nazistas, foram de casa em casa obrigando os moradores da pacata cidade alemã a fazerem faxina naquele inferno inventado pelo homem. Eles entenderem que aqueles cidadãos alemães eram corresponsáveis pelo que ocorrera. Eleve isso ao cubo e você terá uma ideia da responsabilidade de uma sociedade que convive com a miséria, a barbárie, a violação dos direitos humanos, em pleno regime democrático. Todos os dias deveríamos pedir perdão a Deus por sermos brasileiros.

Resumindo, pecado individual injustificável não deixa de ser pecado individual para o qual há causa social. Disse Isaías: "Ai de mim! Estou perdido! porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!"

Os comentários estão encerrados.

X